Ir para o conteúdo 6 Pular para o menu principal 5 Pular para rodapé 7
Blog CNA

Inglês para médicos: por que é tão importante?

Inglês para médicos: por que é tão importante?
Acessibilidade
L L A- A+

Para médicos, o inglês é um recurso essencial para desenvolver o atendimento humanizado a estrangeiros, ter a oportunidade de participar de missões de ajuda no exterior, se manter atualizado sobre inovações e pesquisas da área e muito mais.

Além disso, há mais oportunidades de residência médica em outros centros de referência especializada pelo mundo. Isto é, ser médico e saber inglês ajuda o profissional a construir uma carreira sólida e reconhecida, com recursos que até então podem parecer muito distantes.

Selecionamos um guia essencial sobre o uso do inglês no cotidiano médico. Com ele, você poderá identificar oportunidades de crescer na carreira, antecipando benefícios e estratégias.

Acompanhe!

Como está o cenário de médicos atualmente no Brasil?

Dados de 2023 do estudo Demografia Médica no Brasil, feito pelo IBGE, mostram que o país tem 2,7 médicos para cada mil pessoas. Esse número está no mesmo patamar de nações de referência na medicina, como o Reino Unido, Japão, Estados Unidos e Canadá.

No entanto, o número de médicos no Brasil é distribuído de forma desigual. Para se ter uma noção, o Maranhão possui apenas 1 médico por mil habitantes, enquanto o Distrito Federal, 6.

Segue que, o número de profissionais da medicina especializados, com residência ou pós-graduação, se torna bem baixo, indo para 1,58 para cada mil habitantes.

Isso significa que há uma carência de médicos especializados em muitos Estados do país. Logo, conseguir mais repertório na formação médica é uma oportunidade de se destacar e antecipar a consolidação de carreira. Por isso, dominar o inglês facilita esse processo, conforme mostraremos neste artigo. Entenda agora.

Atendimento a estrangeiros no Brasil

médico negro falando com paciente que está na cadeira de rodas

Um paciente chegou na emergência e você precisa adivinhar o que ele tem, porque não consegue se comunicar. Ele fala inglês jamaicano e, infelizmente, não há ninguém no hospital que domine a língua. Se, naturalmente, a troca de informações já é difícil, devido aos estados psicológico e físico, imagine nesse contexto.

Em grandes centros metropolitanos ou áreas de fronteira, o atendimento de estrangeiros pode ser mais cotidiano do que se pensa. Logo, saber inglês pode ser literalmente uma questão de vida ou morte.

Leitura e publicação de artigos científicos

Médico negro vendo prontuário

Durante o curso de medicina é comum o contato com uma bibliografia de artigos e livros em inglês. E, em muitos programas de pós-graduação, o inglês é pré-requisito. Em termos de se manter realmente atualizado, o profissional da área médica que fala inglês sai na frente. Afinal, os principais periódicos científicos médicos são publicados em inglês.

Por eles, se sabe as principais novidades e avanços da medicina, como novos tratamentos, doenças e reavaliações de casos clínicos. Ler em inglês permite acessar esses artigos de forma instantânea, sem depender de traduções para ter contato com informações tão preciosas.

Além disso, para quem deseja seguir a carreira acadêmica e/ou pontuar melhor nos processos seletivos, a publicação de artigos científicos em inglês é fundamental.

Atendimento humanitário em missões no exterior

Organizações, como a ONG Médicos Sem Fronteiras, abrem seleções para médicos do mundo todo trabalharem com atendimento humanitário em territórios em situação de emergência.

Dominar o inglês é fundamental para ser convocado para essas missões e realizar um bom trabalho. Ter essa experiência profissional, além de uma questão de realização pessoal, pode avançar a prática clínica na carreira. Afinal, são contextos de epidemia, conflitos armados e exclusão social.

Intercâmbio de residência médica

Durante o curso de medicina, é possível passar um período de estudos em outro país. Isso já é conhecido. No entanto, ainda pouco falado é o intercâmbio de residência médica. Isto é, o momento em que o profissional já se formou e busca agora conseguir um título de especialista para ter mais segurança e reconhecimento na área escolhida.

As seleções de residência médica, no Brasil, estão cada vez mais concorridas. Isso se deve ao aumento de cursos de medicina e a manutenção do mesmo número de vagas em centros de saúde. Logo, optar por uma residência médica no exterior pode ser uma alternativa.

Médico negro falando com paciente criança negra em cadeira de rodas

De fato, o custo é maior e precisa de um certo tempo para planejamento financeiro. Mas com o inglês em dia, fica mais fácil pleitear vagas nos Estados Unidos, no Canadá e na Europa. Não se esqueça que para fazer residência médica no exterior, é preciso ficar por dentro das normas médicas de cada país!

O resultado de obter um título estrangeiro é poder fortalecer o seu nome no mercado, com mais prestígio e ampliação de oportunidades.

Inglês para médicos pode ser a chave para antecipar sonhos de carreira. Ao dominar a língua, é possível se manter atualizado sobre novos métodos e tratamentos, além de garantir atendimento humanizado e eficaz para estrangeiros no Brasil. Mais ainda, ter a oportunidade de especialização no exterior.

Comece hoje o curso de inglês que vai facilitar a sua jornada médica. Entenda como o CNA pode ajudar. Entre agora em contato conosco.